segunda-feira, setembro 14, 2009

(Pássa)ro



Um pássaro bateu suas asas em minha janela
Ele voou, voou... e deixou cair uma das suas penas na minha mão.
Começo a achar que com essa pena eu voo,
Não sei se voo ao infinito, ou tão somente vou cruzar de uma calçada a outra da rua.
Vou voar seguro na sua pena, ou, quiçá, mergulhar sua ponta no tinteiro e escrever histórias.


Jacinto dos Santos

14/09/2009
Foto de Luna
Site Olhares.com

4 comentários:

Jonas disse...

Voar e alcançar a imensidão junto com o pássaro é a maior das graças que temos!

Luciana Marinho disse...

ao infinito, meu querido, tu vais ao infinito!

beijos!

Analuka disse...

Voar, ou escrever... voar, e escrever... voar, e viver! Abraços alados, meu caro!

Um olhar no horizonte... disse...

Tocou fundo em minha alma...

Sou um passáro sem azas esquecida no ninho da desilusão...